domingo, 5 de fevereiro de 2012

A importância do pai na educação


Ser pai exige inicialmente aprender com as crianças e com as pessoas, educadores e profissionais como viver em harmonia com as crianças.
O pai é uma referência, um modelo onde os filhos se inspiram.
As crianças vivem em grande parte as expectativas dos seus pais quando estes sinalizam: você é meu filho muito amado, você sabe fazer muitas coisas, é criativo, você é muito inteligente.
Os pais são parceiros quando:
• Ouvem e conversam com seus filhos
• Incentivam e participam de experiências juntos.
• Contam fatos e histórias inclusive resgatando a sua infancia,
• Programam esportes e lazer juntos,
• Inventam brinquedos e brincadeiras.
• Abraçam e elogiam.
Consideramos muito valioso que os pais conheçam seus filhos e possam oportunizar variados estímulos, afeto e contato com segurança contribuindo com o crescimento e o desenvolvimento das crianças.
O importante é salientar que os pais devem estar presentes a todo momento como incentivadores e mediadores do aprendizado da criança oportunizado estímulos, afeto e segurança.
Ter filho é uma aventura, participar do seu desenvolvimento como companheiros nas brincadeiras, como colaborador para que ele compreenda o mundo, é ajudá-lo a crescer mais saudável e feliz.

As artes visuais no cotidiano da criança


Que bom que as artes visuais podem estar presentes na vida da criança. A Arte Visual é uma linguagem. É uma forma importante de expressão e comunicação, uma presença essencial no universo infantil. A criança utiliza as Artes Visuais para expressar experiências do seu dia a dia. O adulto deve oportunizar que a criança tenha contato com materiais de diversas texturas, cores e formas:
• Rabiscar no chão, na areia e outros espaços, utilizando materiais encontrados ao acaso: (pedaços de pau, gravetos, pedras…);
• Pintar os objetos e até mesmo seu próprio corpo;
• Desenhar utilizando diferentes materiais e técnicas;
• Modelar com barro e massinhas;
• Construir brinquedos e maquetes com material reciclável.
Nas mãos da criança, tudo se transforma, tudo ganha vida! Ela quer entender e conhecer o mundo. A arte é a porta de entrada para a imaginação, por isso, quanto mais desenvolvermos a criatividade na criança, mais inovadora e mais talentosa ela será. A arte instiga a criança a criar para uma sociedade que valoriza ideias, talentos, originalidade e mentes criativas.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Oportunidade de contato com posturas científicas



Toda matéria é constituída de elementos muito pequenos, os átomos, que por sua vez estão organizados em estruturas mais complexas, as moléculas. Nas transformações químicas, ocorre a alteração na forma como essas partes são unidas entre si e novas substâncias são formadas. "Com os mesmos átomos, podemos produzir substâncias distintas devido às diferentes combinações possíveis entre eles", diz Antônio Carlos Dias Ângelo, professor do Departamento de Química da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp), campus de Bauru. Variações na cor e na textura e o aparecimento de odores são algumas das evidências que podem indicar a transformação química. 

Ao trabalhar o tema em sala, peça que as crianças deem exemplos e digam o que acham que ocorre nesses casos. Levante as dúvidas e as hipóteses delas. É possível que cheguem a conclusões erradas, mas isso faz parte do aprendizado dessa postura científica. Experiências simples, como a preparação de uma massa de pão, ajudam a turma a entender melhor o conceito de transformação (leia o plano de aula). "Nesse tipo de atividade, é possível ver os indícios de transformação a olho nu", explica Marcelino Júnior. 

Durante a etapa de observação, é importante assegurar se os alunos notam as evidências de reação química. Para isso, vale questionar que alterações puderam ser observadas desde o estado inicial até o final. A aparência mudou? Surgiram novas substâncias? Tudo o que é observado deve ser anotado pela turma. "O registro ajuda o estudante a avaliar o processo de transformação. Dessa maneira, eles conseguem organizar suas ideias e chegar a uma conclusão", diz o químico Thiago Tassinari Lopes, pesquisador da Sangari Brasil.

Dica do especialista
"É preciso estimular os alunos a observar as transformações químicas que os cercam. Assim, seu conhecimento será mais bem explorado pelo professor e suas hipóteses poderão ser testadas em sala de aula."

Antonio Carlos Pavão, professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e diretor do Espaço Ciência, em Olinda

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

DEUS ATENDE AOS VERDADEIROS PEDIDOS


 Eram aproximadamente 22:00 horas quando um jovem começou a se dirigir para casa. 
Sentado no seu carro, ele começou a pedir:
- 'Deus! Se ainda falas com as pessoas, fale comigo.
Eu irei ouvi-lo.
Farei tudo para obdecê-lo'
Enquanto dirigia pela rua principal da cidade, ele teve um pensamento muito estranho:
- 'Pare e compre um galão de leite'..
Ele balançou a cabeça e falou alto:
- 'Deus? É o Senhor?'.
Ele não obteve resposta e continuou dirigindo-se para casa.
Porém, novamente, surgiu o pensamento:
- 'Compre um galão de leite'.
'Muito bem, Deus! No caso de ser o Senhor, eu comprarei o leite'.
Isso não parece ser um teste de obediência muito difícil...
Ele poderia também usar o leite.
O jovem parou, comprou o leite e reiniciou o caminho de casa.
Quando ele passava pela sétima rua, novamente ele sentiu um pedido:
- 'Vire naquela rua'.
Isso é loucura...
- pensou e, passou direto pelo retorno.
Novamente ele sentiu que deveria ter virado na sétima rua..
No retorno seguinte, ele virou e dirigiu-se pela sétima rua.
Meio brincalão ele falou alto
- 'Muito bem, Deus. Eu farei'.
Ele passou por algumas quadras quando de repente sentiu que devia parar.
Ele brecou e olhou em volta.
Era uma área mista de comércio e residência.
Não era a melhor área, mas também não era a pior da vizinhança.
Os estabelecimentos estavam fechados e a maioria das casas estavam
escuras, como se as pessoas já tivessem ido dormir, exceto uma do outro
lado que estava acesa.
Novamente, ele sentiu algo:
- 'Vá e dê o leite para as pessoas que estão naquela casa do outro lado da rua'.
O jovem olhou a casa.
Ele começou a abrir a porta mas voltou a sentar-se. -' Senhor, isso é loucura.
Como posso ir para uma casa estranha no meio da noite?'.
Mais uma vez, ele sentiu que deveria ir e dar o leite. Finalmente,ele abriu a porta...
- ' Muito Bem, Deus, se é o Senhor, eu irei e entregarei o leite àquelas pessoas.
Se o Senhor quer que eu pareça uma pessoa louca, muito bem.
Eu quero ser obediente.
Acho que isso vai contar para alguma coisa, contudo, se eles não responderem
imediatamente, eu vou embora daqui'.
Ele atravessou a rua e tocou a campainha.
Ele pôde ouvir um barulho vindo de dentro, parecido com o choro de uma criança.
A voz de um homem soou alto:
- 'Quem está aí? O que você quer?'
A porta abriu-se antes que o jovem pudesse fugir.
Em pé, estava um homem vestido de jeans e camiseta.
Ele tinha um olhar estranho e não parecia feliz em ver um desconhecido em pe na sua soleira.
- 'O que é?'.
O jovem entregou-lhe o galão de leite.
- 'Comprei isto para vocês'.
O homem pegou o leite e correu para dentro falando alto.
Depois, uma mulher passou pelo corredor carregando o leite e foi para a cozinha.
O homem a seguia segurando nos braços uma criança que chorava.
Lágrimas corriam pela face do homem e, ele começou a falar, meio soluçando:
- 'Nós oramos..
Tínhamos muitas contas para pagar este mês e o nosso dinheiro havia acabado.
Não tínhamos mais leite para o nosso bebê.
Apenas orei e pedi a Deus que me mostrasse uma maneira de conseguir leite.
Sua esposa gritou lá da cozinha:
- 'Pedi a Deus para mandar um anjo com um pouco de leite...
Você é um anjo?'
O jovem pegou a sua carteira e tirou todo dinheiro que havia nela e
colocou-o na mão do homem..
Ele voltou-se e foi para o carro, enquanto as lágrimas corriam pela sua face.. 

terça-feira, 4 de outubro de 2011

A PÉROLA DE GRANDE VALOR

História extraída da revista argentina “El puentecito”. Ilustrada no Photoshop e adaptada pela Pra Gabriela Pache de Fiúza. (revisão Pr Joel Fiúza)

FIGURA 1

Rajan, era um velho hindu pescador de pérolas, que acabava de submergir bem fundo na água. Na margem do rio, um homem loiro o esperava ansioso. Sabem quem era o homem? Era um missionário que tinha deixado o seu lar e tudo o que tinha para ir à Índia, a fim de falar sobre amor de Jesus pelas pessoas. Ele era o missionário David Morse, e nessa ocasião já era muito amigo do velho Rajan.

Rajan por fim, surgiu, rosto moreno na superfície da água sorrindo.

-Acho que encontrei uma pérola bem jóia senhor David, olha só!

David pegou a ostra com as suas mãos e abrindo-a com a faca gritava com alegria.

-Olha aqui Rajan, você encontrou um verdadeiro tesouro!

O velho Rajan olhou para a pérola e disse: Sim, mas há muitas pérolas melhores do que essa. Eu tenho uma muito grande e valiosa na minha casa.

-Veja, esta pérola tem umas manchas e também algumas imperfeições, como se fossem rugas! –disse David.

Rajan sorriu e disse:

-Viu? Isso se aplica ao seu tipo de pregação. A gente se acha bom aos nossos próprios olhos, mas Deus nos vê do jeito que somos: sujos e pecadores.

-Sim você tem razão Rajan –respondeu o missionário – mas ainda sendo tão maus e pecadores, Deus oferece de graça a sua salvação, oferece Seu perdão, nos limpa pelo Sangue de Seu Filho, e quer nos levar para o céu. Você pode entender isto querido Rajan?

-Não senhor, disse Rajan enquanto caminhavam de volta para cidade. Talvez você pense que eu sou muito orgulhoso, mas não posso aceitar o céu como um presente de Deus. Eu devo trabalhar muito para ganhar um lugar no céu.

- Mas Rajan, disse o missionário com tristeza; dessa maneira você jamais chegará no céu. E veja amigo, você está muito velho, talvez seja a última temporada que você pesca ostras. E se realmente quer ver as portas de perolas dos céus, você tem que aceitar por fé a salvação de Deus, porque ninguém pode comprar a salvação e o céu.

FIGURA 2

-Ah, não senhor David. –exclamou Rajan. Olhe, o senhor tem razão; hoje foi meu último dia como pescador de pérolas. Jamais voltarei a esta profissão, porque quando começar o ano novo sabe o que farei? Olhe, olhe bem para aquele homem!

O missionário olhou e viu um homem que passava pelo caminho descalço e com os pés ensangüentados, dava uns passos e depois de joelhos beijava o chão. Que coisa triste era ver aquele homem!

-Você está vendo? Isso é bom! –disse Rajan. Esse é um peregrino que faz penitência para alcançar o perdão dos pecados. É isso que eu farei. Daqui a poucos dias vou para a cidade de Delhi. Comprarei os céus, senhor David, só que irei de joelhos!

-Mas você ficou louco? Há milhares de kilómetros até Delhi! – disse o missionário. Seus joelhos ficarão despedaçados, ficarão infeccionados e com lepra antes de chegar em Delhi. Oh meu querido amigo! você vai morrer sem encontrar o amor de Deus. Eu não posso deixar que você faca isso, o Senhor Jesus já morreu para comprar o céu para você.

Mas Rajan não entendia nem queria aceitar a graça de Deus.

FIGURA 3

Passaram-se vários dias e o senhor Davi estava muito triste pelo seu amigo Rajan. Numa certa tarde ele ouviu umas batidas na porta. Era Rajan, e estava com o seu rosto muito sério.

-Venha comigo à minha casa, quero mostrar-lhe uma coisa. Por favor, venha. – Em silêncio chegaram na casa de Rajan.

-Amigo David, disse o velho hindu – amanhã começo a procissão de joelhos para Delhi. Sente-se aqui um pouquinho por favor, eu já volto!

Rajan saiu do quarto e pouco depois voltou trazendo uma pequena caixa forte muito segura.

-Eu guardei esta caixa por muitos anos. E dentro dela eu guardo somente um objeto que tem muito valor! É um segredo que não conto a ninguém há muitos anos… Senhor David, o senhor não chegou a conhecer, mas eu tive um filho. – Os olhos do velho hindu se encheram de lágrimas enquanto ia falando.

-Meu filho foi o melhor pescador de pérolas de toda a costa da índia. Ele sempre sonhava em achar uma pérola incomparável, queria a melhor pérola nunca vista. Um dia, ele a encontrou…mas quando abriu a ostra ele já estava muito tempo mergulhado. E ainda que tivesse achado a pérola perfeita ele, morreu poucos dias depois.

-Por todos esses anos tenho conservado esta pérola. Mas, como agora estou partindo para não mais retornar, quero dar esta pérola de presente ao senhor. Sabe senhor David, o senhor tem sido meu melhor amigo nestes anos, e quero lhe dar este presente…

Dizendo isto Rajan abriu a fechadura da caixa e dos algodões tirou uma pérola gigante e a colocou na mão do seu amigo.

Que maravilha! Era realmente perfeita. Por um momento o senhor David ficou mudo de espanto, contemplando a pérola. Depois disse:

-É a pérola mais maravilhosa que eu já vi em toda a minha vida! E quero comprá-la senhor Rajan! Quanto custa hein? Eu darei 10.000 reais por ela! MMM não! Ainda é pouco, aliás, pagarei 20.000 reais por ela. O que você me diz? Vale mais do que isso? Já sei, eu trabalharei para você pelo resto da minha vida para obter essa pérola!

Rajan não acreditava no que ouvia. Até que em fim respondeu…

- Senhor David, por favor, essa pérola não tem preço. Ninguém no mundo pode pagar o que ela vale para mim. Ela não está à venda. É um presente para o senhor!

-Não senhor Rajan…- disse o missionário – desse jeito não poso aceitar! Talvez pareça eu um pouco orgulhoso, mas eu vou trabalhar, vou me sacrificar e assim conseguirei comprar essa pérola tão valiosa.

O velho tremia de indignação!

- O senhor não está entendendo! Meu único filho deu a sua vida para pegar esta pérola do fundo do mar. O valor desta pérola é a vida e o sangue do meu filho. Não está a venda! Aceite a pérola como um presente meu… por favor…

Então o missionário falou muito emocionado.

FIGURA 4

-Rajan, meu amigo… Você não esta vendo que o Senhor quer ensinar algo para você? Deus está oferecendo a salvação da sua alma como um presente, porque custou nada menos que a vida e o sangue do seu próprio Filho, e Único Filho. A salvação é tão grande que nenhum homem na terra pode comprá-la; e ninguém é tão bom que a possa merecer. Rajan, eu aceitarei humildemente esta pedra preciosa, porque dinheiro e sacrifício nenhum pagarão pela vida do seu filho. E neste momento Deus também lhe oferece a salvação de graça. Ele oferece o perdão dos seus pecados e quer levá-lo para o céu. Você não quer aceitar também humildemente este maravilhoso presente de Deus sabendo que custou a vida do seu único Filho Jesus?

As lágrimas caíam copiosamente do rosto de Rajan.

- Agora entendo! E aceito a salvação de Jesus o Filho de Deus, eu nunca poderia pagar o preço de um amor tão grande, que é o amor de Deus por mim! Só me resta aceitá-lo!

Assim o missionário orou com o velho pescador, e naquele dia Rajan recebeu o maior presente, a inigualável pérola de Deus! Jesus o Presente de Deus aos homens!